Templates by BIGtheme NET
Home » Em Destaque » “O Verbo se fez carne, e habitou entre nós” (Jo 1, 18)

“O Verbo se fez carne, e habitou entre nós” (Jo 1, 18)

Roma, 03 de janeiro de 2016

Segundo domingo depois do natal/ C

Leituras: Eclo 24, 1-2.8-12/ Ef 1, 3-6.15-18

Evangelho: Jo 1, 1-18

“O Verbo se fez carne, e habitou entre nós” (Jo 1, 18)

E-o-verbo-se-fez-carne

Amados irmãos e irmãs, seguimos nosso caminho degustando as alegrias da presença de Cristo em nosso meio, pois: “O Verbo se fez carne, e habitou entre nós” (Jo 1, 18). Cristo, a sabedoria encarnada, o Verbo, a Palavra eterna do Pai está ao nosso alcance, assumiu a criação para levá-la à sua plenitude, como bem expressa o prefácio da missa de hoje: “Gerado antes dos tempos, entrou na história da humanidade para erguer o mundo decaído. Restaurando a integridade do universo, introduziu no reino dos céus o homem redimido” (Prefácio do Natal II).

Nestas breves linhas do prefácio encontramos uma bela síntese do Prólogo do Evangelho de São João que acabamos de ouvir (cf. Jo 1, 1-18). No qual podemos destacar os seguintes pontos: a) a preexistência do Verbo; b) A sua vinda histórica ao mundo; c) e as consequências de sua encarnação.

Por sua preexistência e eterna comunhão com o Pai Jesus nos revela o verdadeiro rosto de Deus, Ele conhece Deus plenamente, somente Ele nos pode falar corretamente do Pai. Portanto, somente Ele nos pode dar a conhecer o verdadeiro rosto de Deus: “Quem me vê, vê o Pai” (Jo 14, 9). O Pai é aquele que nos ama incondicionalmente, não obstante os nossos pecados. Assim, a encarnação do Verbo põe fim a toda idolatria, pois Deus não é uma projeção do homem, que este conquista por suas próprias forças. Deus não é uma conquista nossa, antes nós é que somos uma conquista de Deus.

Deus somente pode ser conhecido quando recebido como dom imerecido, vindo a nós na encarnação do seu Filho Jesus Cristo. E revelando-nos quem é Deus, Jesus nos revela quem somos nós, qual a nossa vocação. Revela-nos que somos predestinados a sermos santos, imaculados, filhos adotivos (cf. Ef 1, 3-6). Porque ao entrar na história o Verbo se faz carne, ou seja, assumiu a nossa debilidade humana, nossas fraquezas, nossas misérias, e nos reintroduz na comunhão com a Trindade.

De modo que o Verbo que se encarna, é o sinal incontestável que Deus ama infinitamente a sua criatura, que incansavelmente a procura, a fim de redimi-la, para devolver-lhe a vida que outrora havíamos perdido. A nossa humanidade decaída não está mais abandonada a si mesma, Cristo a assumiu para reintroduzi-la no reino dos Céus.

Ao encarnar-se o Verbo revela a irrenunciável decisão do Pai de salvar a sua criatura. Mas ao mesmo tempo coloca o homem diante de uma tomada de decisão crucial: optar pela fé ou pela incredulidade, acolhê-Lo ou rejeitá-Lo, converter-se ou obstinar-se no mal. Uma vez que “O Verbo é a luz verdadeira que ilumina todo homem” (Jo 1, 9). E diante desta luz nenhuma iniquidade permanece oculta, mesma aquelas que se aninham no mais íntimo do nosso coração (cf. Lc 8, 17; 12, 2). Diante da Luz que ilumina os homens, estamos tão nús quanto os nossos primeiros pais diante do seu pecado (cf. Gn 3, 10). Mas esta é uma nudez que nos conduz à conversão, mediante a “graça e a verdade” que nos vem por Jesus Cristo.

Ademais, ao encarnar-se o Verbo restabelece uma verdade essencial do início da criação, que havia sido obscurecida pelo pecado – a bondade do criado (cf. Gn 1, 12ss). O mundo é bom, por isso, usando uma expressão de São Josemaria escrivá: “O cristão ama o mundo”. Aqui entenda-se mundo como a obra magnifica saída das mãos de Deus, não como as potências do mal que se opõem ao amor e à bondade divinas.

Por fim, com a encarnação do Verbo é o universo inteiro que se alegra e canta com o salmista: “Os céus proclamam a glória do Senhor, e o firmamento proclama a obra de suas mãos (Sl 19, 2, ss). Ou ainda, com o evangelista São Lucas: “Glória a Deus no mais alto dos Céus e paz na terra aos homens que ele ama” (Lc 2, 14). Pois o Verbo veio para reintegrar todo o universo e introduzir no reino dos céus o homem redimido (Prefácio).

Por: Pe. Hélio Cordeiro

Um comentário.

  1. Pe. Hélio Cordeiro

    Parabéns a toda equipe pelo novo formato do site. Que Deus abençoe sempre o vosso trabalho de comunicadores cristãos!

Deixe seu comentário:

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*